Info Comerciário 195/2019

terça-feira, 3 de março de 2015

Motta lidera comerciários no protesto contra MPs que retiram direitos dos trabalhadores


Fonte: Fecomerciários c/infomações Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo
A Fecomerciários reuniu dirigentes de 27 Sindicatos Filiados na manifestação organizada pelas seis Centrais Sindicais nesta segunda-feira, 2 de março, em frente da Superintendência Regional do Trabalho em São Paulo, no centro da cidade. O trânsito no local foi bloqueado. O ato convocado pela UGT, Força, CSB, CTB, CUT e Nova Central, que reuniu centenas de trabalhadores, ocorreu simultaneamente em todo o país.

Liderados por Luiz Carlos Motta, presidente da UGT/SP e da Federação, os comerciários fizeram tremular faixas e cartazes contra as medidas provisórias 664 e 665, editadas pelo governo Dilma no final do ano passado para alterar regras de acesso a benefícios trabalhistas e previdenciários, como pensão por morte, auxílio-doença e seguro-desemprego. As medidas passam a vigorar nesta segunda.

Mulheres militares terão licença-maternidade ampliada

Fonte: Agência Sindical
As mulheres que integram as Forças Armadas terão assegurado em lei o direito de usufruir de licença-maternidade de seis meses, como já ocorre com as servidoras públicas civis. O Senado aprovou na quinta (26/2) o projeto de lei (PLC 22/2013) que garante o benefício. A matéria segue para sanção presidencial.

Direitos
A licença começará a contar do parto ou do nono mês de gestação, se for de interesse da gestante. Se o bebê for prematuro, o prazo contará a partir do parto. Além disso, a militar gestante terá o direito de mudar de função quando as condições de saúde exigirem, retornando após o término da licença. O projeto estabelece ainda o direito à licença-paternidade e à licença para adotantes.

Mais informações: www.diap.org.br

Diferença de salário entre gêneros é menor nas micro e pequenas empresas


Fonte: Folha de S. Paulo
A diferença do salário médio entre homens e mulheres é menor nas micro e pequenas empresas do que nas companhias de maior porte. Enquanto nas menores os homens ganham 23% a mais do que as mulheres (R$ 226), nas maiores empresas a diferença chega a 44,5% (R$ 739). 

Observando o período de 2002 a 2012, as diferenças salariais por gênero seguiram trajetória inversa nos dois grupos de companhias. Enquanto nos negócios menores houve redução de três pontos percentuais (de 26% para 23%), nas grandes e médias empresas a diferença foi de 42,8% para 44,5%.

As conclusões fazem parte do Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas de 2014, produzido pelo Sebrae Nacional e pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) e que será divulgado neste mês.

Uma das razões para a maior aproximação do salário nas micro e pequenas empresas é que nelas há poucos profissionais em cargos de chefia, diz Luiz Testa, diretor de pesquisas do portal Catho.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...